sábado, 23 de outubro de 2010

Telefone amigo (Vale a pena ser lido)




Quando eu era criança, meu pai comprou um dos primeiros telefones da vizinhança.
Lembro-me bem daquele velho aparelho preto, em forma de caixa, bem polido, afixado
 à parede.O receptor brilhante pendia ao lado da caixa.
Eu ainda era muito pequeno para alcançar o telefone, mas costumava ouvir e ver minha
 mãe enquanto ela o usava, e ficava fascinado com a cena! 
Então, descobri que em algum lugar dentro daquele maravilhoso aparelho existia uma
 pessoa maravilhosa, e o nome dela era"Informação, por favor"
e não havia coisa alguma que ela não soubesse.
"Informação, por favor" poderia fornecer o número de qualquer pessoa e até a hora certa.
Minha primeira experiência pessoal com esse "gênio da lâmpada" aconteceu num dia
 em que minha mãe foi na casa de um vizinho. Divertindo-me bastante mexendo nas
 coisas da caixa de ferramentas no porão, machuquei meu polegar com um martelo.
A dor foi horrível, mas não parecia haver qualquer razão para chorar, porque eu 
estava sozinho em casa e não tinha ninguém para me consolar. Eu comecei a andar
 pelo porão, chupando meu dedão que pulsava de dor, chegando finalmente à escada
 e subindo-a. 
Então, lembrei-me: o telefone!
Rapidamente peguei uma cadeira na sala de visitas e usei-a para alcançar o telefone
. Desenganchei o receptor, segurei-o próximo ao ouvido como via minha mãe fazer e disse:
"Informação, por favor!"
Alguns segundos depois, uma voz suave e bem clara falou ao meu ouvido:
"Informação."
Então, choramingando, eu disse: "Eu machuquei o meu dedo..."
Agora que eu tinha platéia: as lágrimas começaram a rolar sobre o meu rosto.
"Sua mãe não está em casa”, veio a pergunta.
"Ninguém está em casa a não ser eu", falei chorando.
"Você está sangrando" Ela perguntou.
"Não." Eu respondi. "Eu machuquei o meu dedão com o martelo e está doendo muito!"
Então a voz suave, do outro lado falou:
"Você pode ir até a geladeira"
Eu disse que sim. Ela continuou, com muita calma:
"Então, pegue uma pedra de gelo e fique segurando firme sobre o dedo."
E a coisa funcionou! Depois do ocorrido, eu chamava "Informação, por favor"
 pra qualquer coisa.Pedia ajuda nas tarefas de geografia da escola e ela me dizia
 onde Filadélfia se localizava no mapa. Ajudava-me nas tarefas de matemática. Ela me
 orientou sobre qual tipo de comida eu poderia dar ao filhote de esquilo que peguei no
 parque para criar como bichinho de estimação.
Houve também o dia em que Petey, nosso canário de estimação, morreu. Eu chamei
 "Informação, por favor" e contei-lhe a triste estória. Ela ouviu atentamente, então 
me falou palavras de conforto que os adultos costumam dizer para consolar uma criança.
Mas eu estava inconsolável naquele dia e perguntei-lhe:
"Por que é que os passarinhos cantam de maneira tão bela, dão tanta alegria com
 sua beleza para tantas famílias e terminam suas vidas como um monte de penas numa gaiola"
Ela deve ter sentido minha profunda tristeza e preocupação pelo fato de haver dito 
calmamente:
"Paul, lembre-se sempre de que existem outros mundos onde se pode cantar!"
Não sei porquê, mas me senti bem melhor.
Numa outra ocasião, eu estava ao telefone:
"Informação, por favor".
"Informação," disse a já familiar e suave voz.
"Como se soletra a palavra consertar" Perguntei.
Tudo isso aconteceu numa pequena cidade da costa oeste dos Estados Unidos.
 Quando eu estava com nove anos, nos mudamos para Boston, na costa leste.
 Eu senti muitas saudades de minha voz amiga!
"Informação, por favor" pertencia àquela caixa de madeira preta afixada na
 parede de nossa outra casa; e eu nunca pensei em tentar a mesma experiência
 com o novo telefone diferente que ficava sobre a mesa, na sala de nossa nova casa.
Mesmo já na adolescência, as lembranças daquelas conversas de infância com 
aquela suave e atenciosa voz nunca saíram de minha cabeça.
Com certa freqüência, em momentos de dúvidas e perplexidade, eu me lembrava
 daquele sentimento sereno de segurança que me era transmitido pela voz amiga
 que gastou tanto tempo com um simples menininho.
Alguns anos mais tarde, quando eu viajava para a costa oeste a fim de iniciar 
meus estudos universitários, o avião pousou em Seattle, região onde eu morava 
quando criança, para que eu pegasse um outro e seguisse viagem.
Eu tinha cerca de meia hora até que o outro avião decolasse.
Passei então uns 15 minutos ao telefone, conversando com minha irmã
 que na época estava morando lá. Então, sem pensar no que estava exatamente
 fazendo, eu disquei para a telefonista e disse:
"Informação, por favor".
De um modo milagroso, eu ouvi a suave e clara voz que eu tão bem conhecia!
"Informação."
Eu não havia planejado isso, mas ouvi a mim mesmo dizendo:
"Você poderia me dizer como se soletra a palavra consertar"
Houve uma longa pausa. Então ouvi a tão suave e atenciosa voz responder:
"Espero que seu dedo já esteja bem sarado agora!"
Eu ri satisfeito e disse:
"Então, ainda é realmente você eu fico pensando se você tem a mínima idéia 
do quanto você significou para mim durante todo aquele tempo de minha infância!"
Ela disse:
"E eu fico imaginando se você sabe o quanto foram importantes para mim as suas ligações!"
E continuou:
"Eu nunca tive filhos e ficava aguardando ansiosamente por suas ligações."
Então, eu disse pra ela que muito freqüentemente eu pensava nela durante todos
 esses anos e perguntei-lhe se poderia telefonar para ela novamente quando eu
 fosse visitar minha irmã.
"Por favor, telefone sim! É só chamar por Sally".
Três meses depois voltei a Seattle. Uma voz diferente atendeu:
"Informação".
Eu perguntei por Sally.
"Você é um amigo" Ela perguntou.
"Sim, um velho amigo". Respondi.
Ela disse:
"Sinto muito em dizer-lhe isto, mas Sally esteve trabalhando só meio período
 nos últimos anos porque estava adoentada. Ela morreu há um mês."
Ainda perplexo e antes que eu desligasse ela disse:
"Espere um pouco. Seu nome é Paul"
"Sim". Respondi.
"Bem, Sally deixou uma mensagem para você. Ela deixou escrita caso você
 ligasse. Deixe-me ler para você."
A mensagem dizia:
"Diga pra ele que eu ainda continuo dizendo que existem outros mundos 
onde podemos cantar. Ele vai entender o que eu quero dizer".
Eu agradeci emocionado e muito tristemente desliguei o telefone.
Sim, eu sabia muito bem o que Sally queria dizer.





2 comentários:

  1. bruna adorei esta historia viuuuuu!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    quase chorei no final mas entendi o ponto de vista da telefonista vlw???
    bom continue assim q vc vai ser uma otima escritora no futuro viu/?????
    te doluh de mais migah..
    ASS: TÈTÉH...........

    ResponderExcluir
  2. adorei a história isso me emocionou muito
    talvez quis dizer que devemos aproveitar enquanto temos amigos pois eles partem mais a vida continua e as lembranças permanecem em nossas mentes.....
    adorei msm

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem vindo!
Comente, opine, se expresse. Este espaço é todo seu!
Obrigado pela visita e volte mais vezes.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...