domingo, 22 de janeiro de 2012

Tarde demais

O relógio marcava exatamente nove horas da manhã, no quarto apenas o silêncio, uma cama vazia e um violão, a noite não havia sido uma das melhores para ele, por isso resolveu acordar mais cedo e sair para caminhar, ao chegar em casa constatou que havia recebido algumas ligações, tinha e-mails para checar, correios de voz para ouvir e coisas a fazer, mas nada parecia mais importante do que o que ele havia planejado para aquele dia.

Na noite anterior havia tido uma briga feia com a garota que amava, no calor do momento disse coisas nas quais só depois veio a se arrepender, o sangue quente fez com que ele usa-se a palavra “certa” na hora “certa”. Ele sabia como atingi-la, e foi isto que ele fez.

Ela o amava e deixava isto claro, ele estava confuso mais no fundo sabia que sentiria falta caso a perdesse. Ela o contava tudo, ele não sabia como ajuda - lá. Ela estava cada vez pior e ele apenas contribuía para o fim.

Haviam se conhecido há pouco tempo, mas ela confiava o bastante nele, se sentia segura, ela via nele a oportunidade de ser feliz, ele via nela a oportunidade de se divertir, se satisfazer. Ela tinha um sentimento, e ele nada mais que desejo. Ela era ingênua, precisava de atenção e ele se aproveitava disto.

As coisas ficaram mais serias quando ela começou a deixar claro o que sentia, ela o procurava, e de certa forma o incomodava afinal ele queria apenas curtição. Com o tempo ele se tornou mais distante, não há ouvia, não atendia seus chamados, não a desejava mais, ele não precisava mais dela, havia encontrado outra para suprir seus desejos, ela sabia disso mais ainda assim o procurava, ainda assim o amava, e por varias vezes este foi o motivo de aguentar calada todo o egoísmo, a arrogância e a prepotência.

Na noite anterior ela estava muito mal, a depressão já há consumia há um tempo e ela não tinha com quem conversar, não lhe restou outra opção ela resolveu chamá-lo, ele estava on-line no MSN ela o contou como se sentia e ele nem sequer fingiu se importar, desesperada ela confessou que estava com medo do que poderia fazer contra si própria e a única resposta que obteve foi: Faça um favor para mim? Se mate e me deixe em paz, não quero saber de você, não preciso de você e na minha vida não há espaço pra você. 

Ele saiu.

E em meio a lagrimas ela resolveu atender ao pedido que ele havia feito. Procurou uma forma de fugir e encontrou uma forma de se livrar da dor. Já estava feito. A pouca vida que havia lhe restado não existia mais.

No computador havia apenas a sua ultima conversa e sua carta de Adeus.

Ele ainda não sabia o que havia acontecido, mas estava prestes, a saber.

Passou a manhã inteira pensando na noite anterior, relembrando cada palavra que havia dito e se arrependendo da forma cruel que há tratou, ele sabia o que deveria ser feito, teria que pedir desculpas, mesmo que não fosse resolver ou apagar a dor, demonstraria o arrependimento que ele estava naquele momento.


Ao chegar à esquina da rua em que ela morava notou que algo grave havia ocorrido havia ambulâncias, viaturas, e uma multidão em frente ao prédio. Chegando mais perto percebeu que se tratava de um acidente, a multidão não parava de falar a respeito de suicídio, foi quando ele se deu conta que o corpo estendido no chão era o dela, era o corpo que ele tanto desejava, ela havia se jogado do 15° andar na tentativa absurda de se sentir melhor, ela estava completamente destruída, muitos cortes pelo corpo, muito sangue no chão, uma cena capaz de traumatizar alguém.

Em um momento de loucura ele se jogou no chão na tentativa falha de tentar trazê-la de volta a vida, ele beijava o que havia restado dela, dizia que a amava e pedia perdão afinal sabia que foram as palavras dele que há deram força para se jogar.

A policia tentava acalmá-lo, mas, todo esforço era em vão, desesperado ele sobe até o apartamento dela para tentar encontrar algo que o fizesse se sentir menos culpado, ao chegar ao quarto encontrou o chão ensanguentado, navalhas, tesouras, e o computador ligado com o histórico da ultima conversa dos dois, Vasculhando no computador encontrou o bloco de notas aberto com a seguinte mensagem: Eu sei que você esta ai, eu sei que dói,sei que sente minha falta, gostaria que não fosse tarde pra isso, gostaria de ter sido o bastante para você. Desculpe-me por te amar demais.

Em meio a lagrimas ele olha para janela aberta, percebe que a chuva caia lá fora se aproxima e olhando pra o céu ele grita: Eu que lhe devo desculpas, Eu também te amo só não queria admitir isto, em seguida ele se joga.

Talvez esta tenha sido a forma que os dois encontraram de provar o quanto se amavam.

Um comentário:

  1. Oi passando e seguindo *-* beeijinhos @ferly_victoria
    http://reverseobrlife.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem vindo!
Comente, opine, se expresse. Este espaço é todo seu!
Obrigado pela visita e volte mais vezes.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...